18.6.10

Ser e Escrever Português

José Saramago faleceu hoje, aos 87 anos, em Lanzarote.

Faleceu o homem que sempre defendeu o seu Ideal de Justiça, (concorde-se ou não com ele), mesmo quando era proibido fazê-lo. Sobrevive o Escritor.

Nos últimos cerca de 30 anos foi um ecritor prolífico, original, revolucionário no modo como traduz na escrita uma oralidade quase torrencial e, também por isso, por vezes polémico no conteúdo e na forma como costumam ser os escritores geniais.

Ateu confesso e convicto, na sua obra revela uma humanidade e humanismo profundos, inclusivos, talvez até mais completos e universais do que os defendidos pelas religiões da maioria da Humanidade, que por norma são exclusivas, ou melhor, ex-clusivas. Há, por exemplo, um lado absolutamente feminista na obra de Saramago, de valoração e valorização do papel da mulher talvez também, como dizia hoje Francisco José Viegas, pelo papel que as mulheres sempre desempenharam na sua vida.

O prémio Nobel da Literatura de 1998 foi atribuído a José Saramago "que, com parábolas portadoras de imaginação, compaixão e ironia torna constantemente compreensível uma realidade fugidia", nas palavras do Comité, sendo até hoje o único atribuído a um escritor de língua Portuguesa.

Na nota de pesar enviada pelo Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva, este elogia o escritor e a sua obra: “Escritor de projecção mundial, justamente galardoado com o Prémio Nobel da Literatura, José Saramago será sempre uma figura de referência da nossa cultura” e termina afirmando que esta obra deve ser “preservada e lida”. Não deixa de ser irónico que o elogio seja feito pela mesma pessoa que em 1991, ocupava o cargo de Primeiro-Ministro no mesmo Governo cujo então Sub-Secretário de Estado Adjunto da Cultura, António Sousa Lara, vetou O Evangelho Segundo Jesus Cristo de uma lista de romances portugueses candidatos a um prémio literário europeu. Esta decisão, em última análise, levou a que Saramago decidisse a mudar-se para a ilha espanhola de Lanzarote, na condição de “emigrado” (nas suas próprias palavras).

José Saramago faleceu hoje, aos 87 anos, em Lanzarote. Em Lanzarote, em parte por culpa de um obscuro Sub-Secretário de Estado Adjunto cuja decisão não dignificou o cargo que ocupou, como o Prémio Nobel veio mais tarde a comprovar. Felizmente a sua obra e o seu inegável legado à Língua Portuguesa, cujas fronteiras conseguiu extravasar, perdurarão.

17.6.10

A Coreia do Norte

Os que viram o Brasil – Coreia do Norte já perceberam que os coreanos não serão pêra doce para ninguém. Fechados no seu meio campo labutam 90 minutos como formigas à espera do inverno rigoroso que mate o adversário. Disciplinados, não vacilam e correm como se tudo no mundo dependesse disso. E é isto o que fatalmente nos distancia: nós corremos pelo dinheiro, pela fama, pelo mediatismo; eles correm pela vida.

A vingança também estará na memória dos Coreanos. Em 66, a equipa ao regressar a casa terminou quase toda nos campos de reeducação depois de um desvario num bar inglês para comemorar a vitória sobre a Itália, antes da derrota com Portugal. A lenda diz que quase nenhum sobreviveu às condições dos campos apadrinhados pelo antes Grande Líder. Que não serão diferentes dos idealizados pelo actual Querido Líder.

Uma espécie curiosa

Num clima muito pesado, falaram os jogadores da selecção. Deco foi o mais contundente e incisivo evidenciando coragem e falando do que realmente interessa. Os restantes viram ocorrências sortidas e variadas que a realidade confortavelmente se encarregou de desmentir. Até o árbitro, coitado, foi metido ao barulho, como é prática habitual entre o indígena luso, uma espécie curiosa que nunca é má por culpa própria.

Adeus e obrigado

Ficou mais do que evidente que o lugar ocupado no ranking da FIFA não passa de uma mera ilusão estatística. Portugal é uma equipa mediana que tem um grande jogador e mais dois ou três razoáveis. O seleccionador, inqualificável, é certamente o grande culpado. Mas o Sr. Madaíl, um tipo ligeiramente para o idiota, não lhe fica atrás. Acabou-se esta miséria. Adeus e obrigado.

16.6.10

Para a Beatriz

Porque numa nova fase de minha vida, inauguro um novo blog.
Apenas para quem vier por bem e que queira seguir a Beatriz!(http://mundodosgrandes.blogspot.com/)