21.8.05

Nem tudo são más notícias

Gostava de escrever sobre coisas sérias. Principalmente em Agosto. Mês fraco em notícias segundo alguns gurus que opinam nos meios de comunicação social.

Não partilho da opinião. Alguém, algures não sei quando, disse que Agosto era um mês pobre em acontecimentos. Desde então, há quem repita esta mentira todos os anos. De tantas vezes repetirem a mentira, já é aceite como se, de uma verdade se tratasse.

Nada mais errado.

O país arde desalmadamente. Apesar disso, o governo tirou férias.
Ficou, no entanto, o super Ministro da Administração Interna.

As contas do estado continuam caóticas, mas os nossos, governantes, estão algures a mergulhar, como se fossem verdadeiros guerreiros.

Por cá, a novela RTP-M ainda está no começo. Julgo que ainda não foi aprovado o episódio número um, apesar das várias versões já apresentadas.

O Presidente do governo foi Claro. Pediu privacidade no areal e quase todos os dias os “paparazis” furam as férias do Cidadão Alberto João Jardim. Há uma foto dele na praia e uma espécie de nota de rodapé do já famoso repouso do presidente no bar mais mediático do areal.

Se estes temas não são notícias, é porque os editores, redactores também estão de férias.

Angelino Câmara

18 comentários:

Miguel Fernandes Luís disse...

Há uns dias o GNS postou isto:
«Perguntas
A quem interessou a publicação e o destaque dados pelo Diário à entrevista de Armindo Abreu sobre a RTP-M?
E a quem não interessava mesmo nada?
Quem se lembrou de mandar entrevistar Armindo Abreu, jornalista afastado do espaço mediático há anos?
Uma pista: a entrevista foi feita e publicada durante o período de férias de um dos sub-directores do jornal.»

Miguel Fernandes Luís disse...

O GNS conhece bem o autor da entrevista, pelo que não se compreende estas insinuações, a não ser para justificar o título deste blogue. A escolha do Armindo foi bem simples. De uma lista de 10 entrevistáveis (feita em colaboração com uma jornalista experiente e sem responsabilidades de chefia) seleccionei três: João Lizardo, Armindo Abreu e João Machado. Tive sorte, o homem disse coisas interessantes. Toda a polémica posterior ultrapassa-me.

Anónimo disse...

Parece que a fina flor do jornalismo picou-se... Claro que a ele ninguém manda fazer entrevistas, sai tudo daquela cabecinha. Não sei como não estás em chefe... Se essa entrevista foi interessante, nem quero pensar o que te dirá o Enguilha quando o entrevistares.

Anónimo disse...

Miguel, devo dizer-te que quando escrevi o post nem reparei no autor da entrevista. Mas estranhei o facto de o Diário se ter interessado por re(colocar) na agenda Armindo Abreu, personalidade afastada há anos da cena mediática.

Entendo, no entanto, a tua observação. E creio que a entrevista configurou um bom trabalho jornalístico, com as repercussões que se conhecem.

Não duvido, contudo, que a critério para escolher os entrevistados (ou o entrevistado) deve ter a ver com o facto de, antecipadamente, saber o Diário (ou saberes tu) o teor das respostas que ele iria dar. O que não é de todo condenável.

Um abraço
Gonçalo

Miguel Fernandes Luís disse...

Conselho ao autor do penúltimo post: cresça e apareça. Tem medo de assumir as suas palavras?

Anónimo disse...

Repito mais uma vez: os comentários anónimos são absolutamente desprezíves. E, se este fosse um post meu, aquele que aqui foi inserido tinha sido imediatamente retirado.

Gonçalo

Anónimo disse...

Até agora não consegui ver tanta razão para polémica. Afinal tudo o que o Armindo Abreu disse é verdade. A carta do leitor Ricardo Silva foi mais prejudicial à imagem da RTP e dos profissionais e até agora ninguém disse nada, nem mesmo o sindicato. Não entendo também porque razão dois jornalistas (um do DN e outro ex-DN) se degladiam neste blog. A entrevista foi oportuna, foi clara e incisiva. Bom era que se aproveita-se o seu teor para melhorar a RTP-M.

Anónimo disse...

Caro leitor ou leitora,
Compreendo as suas palavras. No entanto, não lhe vou responder, tal como não respondi ao Senhor Ricardo Silva.

Apareça sempre. É muito bem-vindo.

Angelino Câmara

PS-Existem certos comentários que nem resposta merecem. Sobretudo quando são perversos

Anónimo disse...

Resposta Angelino Câmara: percebo bem o seu ponto de vista e entendo que fez bem em não responder a uma carta que tinha outros objectivos que não os que lá estavam explícitos. Eu faria o mesmo. Só quem trabalha no meio entende o que foi dito e se calhar só quem trabalha na RTP-M sabe os propósitos reais do mesmo escrito. Espero que os profissionais da RTP tenham a força suficiente para enfrentar as tempestades que aí vêm. A avaliar pelo habitual jogo de interesses e de contra-informação que acontece sempre que cai um governo central, então vamos ter muitas tempestadas, se calhar muitas delas provocadas por gente que não têm o mínimo de formação profissional e pessoal para os lugares que ambiciona. E mais não digo... Até a um dias destes... se calhar na RTP?

Anónimo disse...

Será sempre um prazer trabalhar….com X, Y ou Z. Não sei qual das letra prefere, mas para mim são indiferentes.


Boa tarde….e já agora, boa viagem pela net.
Visite sempre a Conspiração.

Angelino Câmara

Anónimo disse...

Sobre o assunto só me restam dizer duas palavras: "mons parturiens". Força e um abraço. Virgílio Nóbrega

Anónimo disse...

E a saga RTP-M versão Calisto continua na edição desta semana do jornal quinzenário "Garajau"...

Anónimo disse...

«Pena é que alguns jovens não sejam encaminhados para formação adequada, pois toda a gente ficava a lucrar. Não podemos estar eternamente a desgastar-nos com a velha rábula da falta de meios técnicos e humanos, porque devagar se vai ao longe, e a televisão, sem ser um bicho de sete cabeças, é, por natureza, um meio de comunicação que difunde para uma vastíssima audiência. Ou pelo menos devia difundir»
Gilberto Teixeira, in JM

Anónimo disse...

Pena é que certos subservientes do sistema ainda continuem a escrever e a deixar recados neste blog. Pirem-se daqui seus canalhas!!!

Anónimo disse...

Podem dizer ao Sr. Gilberto Teixeira que a formação começa também no TOPO. As ovelhas só pastam no lugar certo se o pastor conhecer o trilho, caso contrário tudo fica pelo caminho. Acrescentaria que a formação deve ser contínua e para todos sem excepção, até mesmo para os cronistas do JM, bem precisam!
Um leitor atento do JM e não só.
Parabéns pelo blog.

Anónimo disse...

Considero que o Senhor Gilberto Teixeira não precisará de mais palavras.Os Comentários são suficientemente explícitos. Espero eu e o resto da blogosfera.

Anónimo disse...

Este senhor Gilberto devia antes preocupar-se com o futuro do seu filhote. Uma vez que o dr. Cunha e Silva começa a perder algum fôlego na corrida à sucessão do AJJ, deve corrigir o rumo e passar a colar-se ao dr. Miguel Albuquerque.

Angelino disse...

Só hoje (09-11-2009) encontrei este texto. Desconfio que não foi eu que escrevi. Os COMENTÁRIOS que aqui são produzidos em meu nome, muito menos. Esses tenho a certeza!
A verdade vem sempre ao de cima.
Angelino