30.9.05

As ameaças

Os comentários ao meu post anterior sucedem-se. Num tom inaceitavelmente ameaçador, procuram condicionar a minha forma de estar. Não me conhecendo, insultam-me, "aconselham-me" (alguns consiglieri não fariam melhor, um dia destes acordo com a cabeça de um cavalo ao lado, ou serei agraciado com um peixe morto envolto em papel de jornal) e ameaçam.
Se não quisesse ser comentado teria retirado a opção, não o fiz porque não me incomodam opiniões acerca do que escrevo (ainda que críticas e opostas). No entanto, gostaria de perceber o alcance dos comentários que alguns visitantes sistemáticos ?
Quererão impor regras e condutas ?
Serão guardiães de costumes ?
Queixam-se do sistema vigente na Madeira mas têm comportamentos só observados nos tempos das denúncias matreiras (observação sorrateira, postura dissimulada, mensagens de aviso veladas, ameaças envergonhadas). São livres de continuarem com esse rumo sendo que, com essa atitude provam a vossa insignificância e incapacidade de andarem de cabeça erguida e de consciência tranquila.
Não tenho por hábito cuspir, seja para onde for. Não tenho vergonha de quem sou, nem vou alterar seja o que for. Se acharem que estão correctos e que a vossa atitude deve continuar, por favor, não parem (ao contrário do que procuram insinuar e da vossa forma de agir, respeito muito todas as opiniões, posturas e formas de estar na vida, posso não concordar, mas respeito).
Peço apenas uma coisa, concretizem as insinuações e ameaças (se disso forem capazes).

12 comentários:

Gonçalo disse...

«Não tenho vergonha de quem sou, nem vou alterar seja o que for»

hehehehehe
Gostei sim senhor (oinc). Também gostei daquelas enormidades que foram escritas no blogue da Assembleia da República (e do respectivo pedido de desculpas de calças em baixo).

vampiro disse...

Temos que reconhecer uma coisa ao Carlos Rodrigues. É democrata e corajoso o suficiente para permitir que outros comentem os seus posts. Ao contrário de outros neste mesmo blogue.

A mosca disse...

Oh Carlos Rodrigues - que nem conheço - vamos a ver uma coisa para evitar mal entendidos: há posts e pots. No meu caso estava a brincar ligando a história do charuto que alguém dizia que voce fumava não sei aonde e a tal carta para a Camara do Funchal enviada por um deputado da Madeira com charutos a acompanhar. E fiz uma brincadeira que penso que não ofende. Nada mais do que isso. Nada de dramnatizar meu caro. Vi-me obrigado a clarificar esta questão para voce ficar descansado. Estamos entendidos?

Anónimo disse...

Carlos Rodrigues, nao exagre. A blogo também dá para "picar" mas sempre com humor. Não mais do que isso. Se fosse para levar a serio nem vinha aqui, garanto-lhe que nem vinha aqui. Ameaças? Por amor de Deus.

Angel disse...

Tal como, a maioria dos nosso leitores, conheço o Carlos Rodrigues, a partir do momento em que foi convidado para ser deputado na Assembleia da República. Fiquei surpreendido, com uma intervenção política que fez em S. Vicente. Foi a primeira que assisti, por razões profissionais. Desde então, troquei duas ou três vezes, na rua, umas breves palavras com o Carlos.

Este poste, só confirma a honestidade, intelectual, do Carlos. Os meus parabéns ao autor.

Olga disse...

Bullshit (ou será Bulldozer?)

Flama na A. da República disse...

"Honestidade intelectual", é a devoção parôla à sua Bestialidade AJJ.

Gonçalo disse...

Que fique claro que o "Gonçalo" do primeiro comentário é alguém que, presumivelmente, quer criar confusões. Não foi escrito por mim, como me parece claro.

Ao Carlos, desde já, um abraço solidário. É dos poucos que, na Madeira, assumem as suas posições.

Gonçalo Nuno Santos

Katrina disse...

Deve ser complicado abraçar o Carlos (oinc) Rodrigues!...
"Assumir as suas posições", quais!? De calças em baixo a pedir desculpas aos bloguistas da Assembleia da República pelo facto de ter escrito umas "enormidades" sobre a Flama!?

Carlos Rodrigues disse...

Para esclarecer o anormalzinho que ora assina Katrina, ora assina gonçalo (1º post), ora assina flama na a. da república, que as desculpas tiveram a ver com a forma e não com a substância.
Já agora, se acha que a FLAMA deve ser glorificada, venha a terreiro, assuma-se e defendo-o publicamente.
Sei que não o fará, não passa de um reles cobardezinho que se julga engraçadinho. Triste existência essa, espiar os outros, recorrer à falta de educação, rastejar no excremento que expele, sem a mínima ponta de verticalidade para se dar a conhecer (nem a barata, invertebrado famoso na Região, tem semelhante comportamento). Quem na sarjeta vegeta, da sarjeta nunca passará.

Sancho disse...

É, sinceramente, uma pena o que alguns energúmenos fazem da blogoesfera, que deveria ser um espaço de troca de ideias, de diálogo, de discussão, de humor (civilizado e mantendo o respeito pelo outro) e que levam a que bloggers, legitimamente, tenham de impedir comentários.
Discordo de muitas das posições do Carlos, pessoa com quem apenas me cruzei uma ou duas vezes. Todavia, não posso deixar de lhe reconhecer inteligência, pertinência e pertinácia nos posts que escreve.Portanto, é com alguma pena que vejo as críticas gratuitas e ofensas à pessoa, sem qualquer tipo de elevação.
A minha solidariedade Carlos!

PS - Já agora, aproveito para manifestar, igualmente, a minha solidariedade ao Gonçalo e dizer que, apesar de achar uma pena, compreendo a sua posição. Acho que os comentários contribuem para o efeito democrático ímpar da blogoesfera. Mas, realmente, aturar idiotices cansa. E tu até tentaste!
Um abraço!

PS2 - Tenho mais pena, porque este blog e a Esquina-do-mundo são, decididamente, os dois melhores blogs madeirenses, para onde contribuem pessoas reconhecidamente inteligentes. Talvez por isso, quer os de cá, quer o de lá estejam continuamente sujeitos à ofensa. Porque se a blogoesfera é um espaço democrático fantástico, exactamente por isso possibilita a cobardia e a falta de elevação.

Anónimo disse...

Cada vez mais me convenco que isto é tudo uma grande merda. Blogoesfera sem comentários online? Isro é co um jogo de futebol sem bola. Mesmo assim parabens Sancho pelos teus comentários. Ao Carlos Rodrigues um conselho: ou desce a certos níveis ou caga no assunto. Confesso que me cago para eles